11/04/2010

REPOSTA A UM COMENTÁRIO - JESUS, 100% HOMEM E 100% DEUS ?

Postado por Luís Filipe de Azevedo

Estarei respondendo aqui a um comentário feito ontem dia 3/11, no meu texto intitulado JESUS, 100% HOMEM E 100% DEUS ?
________________________

AnônimoCOMENTÁRIO

Reinerio Filho disse...

Pastor, não tenho formação teológica, minha formação é jurídica, por isso não conheço com profundidade muitos dos episódios e das conclusões advindas destes, mormente os concílios. Ocorre que, como todo cristão deve fazer, "procuro manejar a palavra bem a palavra da verdade" (2 Tm. 2:15), e tenho estudado a Bibla, para crescimento espiritual.

No que tange à divindade e humanidade de Cristo, não posso deixar de discordar do seu pensamento. E o faço por acreditar que a Palavra de Deus não respalda a conclusão que o senhor chega.

Ora, é muito claro o que está escrito no capítulo 2 de Hebreus. No verso 15 o escritor anõnimo diz "E, visto que os filhos participaram da carne e do sangue, também ele participou das mesmas coisas, para que, pela morte, aniquilasse o que tinha império da morte, isto é, o diabo". Isto demonstra que o senhor teve grande êxito quando listou que Cristo tinha corpo, alma e espírito, como um humano. Corobora também com a sua afirmativa que Cristo tinha sentimentos de homem, prova disso é que ele chorou com a morte de amigo, indignou-se com o comécio no templo... Para mim, a prova irrefutável de que Jesus Cristo foi como um homem é a sua morte. Eis que foi o homem imaculado, concebido virginalmente pelo Espírito, que verteu o sangue no Calvário.

Porém, tudo isso so mostra que Cristo encarnou. O versículo 17 diz: "Pelo que convém que, em tudo, fosse SEMELHANTE aos irmãos, para ser misericordioso e fiel sumo sacerdote naquilo que é de DEus, para expiar os pecados do povo". Ora, pastor, aqui há que se pegar o vocábulo original. Confesso que não sei se a tradução foi a mais fidedigna; acontece que, se for esta a tradução, eu não acredito que Deus se equivocaria, haja vista que toda a Escritura é divinamente inspirada (2 Tm 3:16-17). Semelhante não é o mesmo que igual, logo, correta a tradução, Cristo foi muito parecido com o ser humano comum, padecendo de dores e sofrmntos, sendo em tudo tentado, todavia, sua humanidade era distinta, senão vejamos o vrso 7 do citado capítulo de Hebreus: "Tu o fizste um pouco menor do que os anjos, de glória e de honra o coroas e o constituíste sobre as obras de tuas mãos".

Ora Pastor, o Senhor fez o homem com as mãos, Cristo foi formado pela palavra, o verbo Agente da Criação, o que demonstra sua deídade e sua humanidade superior, perfeita; não como Adão, porém ainda mais superior a este, capaz de sentir como um homem comum, contudo, jamais capa de pecar por pensamento, por exemplo.

Como o senhor, explica a afirmação bíblica que Jesus é o Adão, do céu?

A paz do Senhor!

3 de novembro de 2010 12:39

RESPOSTA

Meu prezado irmão, a paz do Senhor Jesus.

Quero externar a minha gratidão por ter lido meus textos, pois são vários, que falam sobre a encarnação do Verbo (Jesus), tecido este comentário e também pela forma respeitosa e amistosa com que discordou do meu posicionamento. Embora não o conheça, me demonstrou ser um homem educado no tratamento com seu semelhante, porém, não igual. Mas, permita-me, com o mesmo respeito, replicar (contestar, objetar) o que o amado tem amigavelmente tem discordado de mim.

Bem, necessário se faz o levantamento do(s) vocábulo(s) original(ais) grego(s), como o irmão disse, do uso da expressão “semelhante” em algumas traduções, bem como de algumas perguntas em torno do sentido da referida palavra dentro do texto de Hebreus 2.17, de Romanos 8.3 e de Filipenses 2.7.

De acordo com o Dicionário Internacional de Teologia do Novo Testamento, Ed. Vida Nova, página 2300, que por sinal é uma excelente ferramenta de auxílio à interpretação do grego do NT, no verbete grego transliterado por mim aqui por “homoios”, traduz da seguinte maneira as várias palavras oriundas dessa palavra:

Homoios, “como”, “da mesma natureza”, “semelhante”;

Homoiós, “de igual modo”, “assim”, “semelhantemente”;

Homoioõ, “fazer semelhante”, “comparar”;

Homoiotés, “similaridade”, “aparência igual”, “concordância”;

Etc...

O Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa diz do adjetivo masculino “semelhante”, quando este se refere a pessoas e idéias, o seguinte: Que é da mesma espécie, qualidade, natureza ou forma, em relação a outro ser ou coisa; similar. Do substantivo masculino “semelhante” o Houaiss diz que é pessoa ou objeto da mesma natureza de outro, ou similar a outro que por derivação de sentido é próximo. Importante observarmos que no texto original, segundo o Novo Testamento Grego Analítico, Ed. Vida Nova, o substantivo “semelhante” em Hebreus 2.17 está associado ao verbo ser (infinitivo, aoristo, passivo), homoiothenai, que traduzido fica mais ou menos assim: “ser feito semelhante”. Já em Romanos 8.3 e Filipenses 2.7, o termo grego é homoiomati, substantivo, dativo, neutro, singular, que traduzido é: “semelhança”.

Deixe-me levantar algumas perguntas normativas sobre a natureza de Jesus:

Jesus foi um homem, ou foi como um homem?

Jesus foi um homem, ou foi semelhante a um homem?

Jesus foi um homem, ou foi parecido (aparência igual) com um homem?

Jesus foi igual a todos os homens?

Jesus foi diferente de todos os homens?

Jesus foi superior (humanamente falando) a todos os homens?

Jesus foi inferior a todos os homens?


As dificuldades que encontramos têm muitas vezes sua origem no problema teológico de compreensão da encarnação, isto é, o paradoxo de como Cristo pode ser plenamente Deus e plenamente homem, e na aplicação dela à justificação do pecador. O apóstolo Paulo não teve nenhuma dificuldade em identificar Jesus como Cristo e Jesus como um ser humano, mas como ele via a humanidade de Jesus, em geral? O pouco que Paulo diz sobre o assunto, se resume em frases sucintas que, a meu ver e de muitos estudiosos da Bíblia, são suficientes para sugerir que Paulo entendeu que Jesus foi completamente humano, mas que não foram suficientes para explicar em detalhes como ele definiu essa humanidade. Os eventos cristológicos de maior importância para o apóstolo parecem ter sido o fato de Cristo assumir a verdadeira natureza humana e humildemente tomar condição de servo, sua morte na cruz e sua ressurreição. Assim, podemos resumir a abordagem paulina sobre Cristo em suas epístolas.

Posto isso, vejamos que a expressão de Filipenses 2.7 que diz: “tornando-se semelhante aos homens”, ou de acordo com a Nova Tradução da Linguagem de Hoje que diz: “igual aos seres humanos”. Em outras palavras, Jesus se fez carne e se tornou um homem sujeito à fragilidade humana, até a morte. Nada mais que isso. Romanos 8.3 também comenta esse ponto, como vimos, em termos semelhantes e enunciados com cuidado. E o que ele quis aqui foi enfatizar que o poder do pecado é uma unidade cósmica, mas que Jesus condenou o pecado na carne e fez-se carne para fazer isso. Jesus ao conservar-se obediente na forma da nossa existência corpórea, ao carregar sobre si o fardo da mesma, foi de igual modo, um sinal de nossa justiça diante de Deus. Desse modo, está descartado qualquer tipo de docetismo (uma ramificação do gnosticismo que negava a natureza humana e corpórea de Jesus).

É provável que Romanos 8.3 esteja redigido de modo a indicar que Jesus não participou da pecaminosidade da carne. Somente isso. É bem provável que Paulo distinguia a carne como Deus a criou e a “carne do pecado”, isto é, a carne que caiu no domínio do pecado. Nessa perspectiva é que Cristo possuía carne perfeita, não caída, mas que era indistinguível, aparentemente, da “carne do pecado”. Se for por esse pensamento, aí sim, a semelhança cabe, quanto ao pecado, mas que não extingui a atribuição de plenitude humana para Jesus, haja vista que a carne como Deus a criou originalmente era sem pecado. A diferença está que Jesus em carne não pode pecar por ser Deus, e o homem comum, no momento em que foi criado, tinha a possibilidade de pecar, mas ambas as carnes são sem pecado, sem erro, sem iniqüidade, logo, perfeitas!

Parece que a razão do uso plausível da palavra semelhança em Romanos 8.3 seja evitar intencionalmente dizer que Jesus Cristo assumiu a forma humana pecaminosa. Apenas isso. E o que é dito a respeito de Romanos 8.3 aplica-se de modo inequívoco ao texto de Filipenses 2.7. Na realidade, Cristo assumiu a forma humana completa, de uma forma ambígua e sem igual. Ser Deus-homem e homem-Deus plena, perfeita e verdadeiramente é o mistério da encarnação do Salvador. As palavras que costumamos expressar sobre esse “mistério da encarnação” não são suficientes para explicações dogmáticas, pois esse tema-mistério só pode ser descrito em termos de paradoxo. Trata-se de um assunto deveras elevado para as nossas mentes! Sejamos honestos.

Concluo dizendo que, assim como Paulo, o escritor aos Hebreus também emprega o termo “semelhante” em conexão com as declarações cristológicas. O texto sublinha o fato de ter sido Ele tentado como nós (“exatamente da mesma maneira”, gr. “kath’ homoioteta”). Neste caso, tornar-se como nós, aqui, expressa que Cristo foi ligado a nós na história e na humanidade, na tentação, no sofrimento e na morte. Cristo assumiu a forma humana, pois isso era necessário para que se torna-se um perfeito representante nosso diante de Deus. A tradução da NTLH do texto é essa: “Isso quer dizer que foi preciso que Jesus se tornasse em tudo igual aos seus irmãos a fim de ser o Grande Sacerdote deles, bondoso e fiel no seu serviço a Deus, para que os pecados do povo fossem perdoados”.

Somente aquele que tinha sido tentado de todas as maneiras possíveis, como nós, podia ser misericordioso sumo sacerdote (4.15, 5.2). Somente aquele que tinha reagido a cada tentação com obediência perfeita podia ser fiel sumo sacerdote, sem pecado (4.15, 7.26) e digno de oferecer a si mesmo como sacrifício imaculado (9.14). Somente Jesus Cristo, verdadeiro e pleno Deus e verdadeiro e pleno homem podia ser esse sumo sacerdote. Glórias sejam dadas a Jesus!

Um abraço meu amado,

Pr. Luís Filipe.

5 comentários :

Renato S. disse...

Como vai meu irmão em Cristo... Sei que está havendo um grande desconforto num's determinados blogs a respeito deste assunto(s/a natureza de Cristo)eu os acompanhei e pensei nos dois lados tanto do C.S. como do S.D. Um diz que Cristo é exatamente igual a Adão antes da queda e, o outro diz que, não exatamente. Pois bem, acredito q C.S. está querendo dizer e o S.D. não entendeu é que: Jesus não pode ser considerado IGUAL, DA MESMA ESSÊNCIA, E ESTRURA q. Adão, pq Cristo possui a plenitude da divindade, ou seja todos os atributos de Deus; e Adão ñ tem todos os atributos; Mas somente os comunicaveis aos homens. Isto tornaria Cristo "diferente" o único do gênero. Irmão, espero seu comentário. Abraçõs.

Amado irmão Renato, a paz do Senhor Jesus.

Obrigado por entrar no meu blog e postar um comentário aqui. Mesmo que não tenha feito um comentário sobre o meu texto propriamente dito. Mas, sem ressentimentos (risos).

Escrevi cerca de oito artigos sobre o tema cristologia, penso que já foi bastante. Não que o assunto tenha se esgotado não, mas porque acredito que deixei neles expresso muito claramente o que penso sobre a pessoa do Senhor Jesus. Para mim, Ele foi, e continua sendo glorificadamente, plena e verdadeiramente homem não deixando de ser Deus e, ao mesmo tempo e como uma só pessoa, plena e verdadeiramente Deus não deixando de ser homem. No que se refere apenas a humanidade, para mim, Ele foi e é um homem infinitamente melhor e infinitamente mais perfeito do que eu, por conta da Sua natureza não corrompida e impecável. Isso basta!

Espero ver outros comentários seus por aqui heim...

Um abraço,

Pr. Luís Filipe.

Olá meus irmãos em Cristo, A Paz de Cristo.
Parabéns pelo blog muito bom. Deus te abençoe ricamente. Estou te seguindo.
Se desejares conhecer o nosso blog será um prazer tê-lo como visitante e mais ainda se nos seguir-nos. Aprendendo uns com os outros crescemos em graça e conhecimento.

Josiel Dias
Mensagem Edificante para Alma
http://josiel-dias.blogspot.com

Rio de Janeiro

Ola Luis!

Graça e Paz!

Vim conhecer seu espaço digital. Bom posts! A internet é um espaço precioso onde podemos falar de Jesus e discutir diferentes pontos de vista!

Aproveitando, faço uma apresentação do meu blog:

Genizah é um blog cristão diferente. Hilário e divertido, mas que não dispensa a seriedade na defesa do Evangelho. Uma mistura bem balanceada de humor, denuncia e artigos devocionais. No Genizah, você fica sabendo da última novidade do absurdário "gospel", mas também não falta material para inspiração e ótimas mensagens dos melhores pregadores. Genizah é um blog não denominacional apologético, com um time é formado por escritores, pastores, humoristas e chargistas cristãos.

Aguardo sua visita. Vamos nos seguir!

Abraços em Cristo e Paz!

Danilo Fernandes

http://www.genizahvirtual.com/

Graça e Paz irmão Danilo,


Obrigado por visitar meu humilde blog. Estarei visitando com certeza o seu blog.

Um abraço,

Pr. Luís Filipe.