10/14/2010

JESUS, 100% HOMEM E 100% DEUS ?

Postado por Luís Filipe de Azevedo

Esse foi um comentário que postei no blog do pastor Pr. Ciro Sanches Zibordi depois de uma leitura do texto "Coisas que a Bíblia não diz (2)", publicado ontem, 13 de outubro de 2010. Meu comentário foi feito apenas sobre a parte que tange à Cristologia.


Assim comecei meu argumento...


O capítulo 8 e o tópico 2 da Confissão de Fé de Westminster diz: “O Filho de Deus, a segunda Pessoa da Trindade, sendo verdadeiro e eterno Deus, da mesma substância do Pai e igual a ele, quando chegou o cumprimento do tempo, tomou sobre si a natureza humana com todas as suas propriedades essenciais e enfermidades comuns, contudo sem pecado, sendo concebido pelo poder do Espírito Santo no ventre da Virgem Maria, e da substância dela. As duas naturezas inteiras, perfeitas e distintas - a Divindade e a Humanidade - foram inseparavelmente unidas em uma só pessoa, sem conversão, verdadeiro homem, porém um só Cristo, o único Mediador entre Deus e o homem”. Já no tópico 3 está escrito: “O Senhor Jesus, em sua natureza humana unida à divina, foi santificado e sem medida ungido com o Espírito Santo, tendo em si todos os tesouros da sabedoria e da ciência. Aprouve ao Pai que nele habitasse toda a plenitude, a fim de que, sendo santo, inocente, incontaminado e cheio de graça e verdade, estivesse perfeitamente preparado para exercer o ofício de Mediador e Fiador. Este ofício ele não tomou para si, mas para ele foi chamado pelo Pai, que lhe pôs nas mãos todo o poder e todo o juízo, e lhe ordenou que os exercesse.”


Corroborando com essa mesma idéia, o Breve Catecismo de Westminster, na resposta à pergunta de nº 27 - Em que consistiu a humilhação de cristo? – diz que “a humilhação de Cristo consistiu em ele nascer, e isso em condição baixa, feito sujeito à lei; em sofrer as misérias desta vida, a ira de deus e amaldiçoada morte na cruz; em ser sepultado, e permanecer debaixo do poder da morte durante certo tempo. (ref. lc 2.7; fp 2.6-8; gl 4.4; 3.13; is 53.3; mt 27.43; 1co 15.3-4)”.

Posto isto, o que podemos presumir do ensino bíblico-teológico acerca da pessoa de Cristo é: Jesus Cristo foi plenamente Deus e plenamente homem em uma só pessoa e assim o será para sempre. Jesus possuía um corpo humano (Lc 2.7, 40), possuía uma mente humana (Lc 2.52, Hb 5.8), possuía alma humana e emoções humanas (Jo 12.27, 13.21), ou seja, Ele era tão humano, que as pessoas próximas a Ele tinham dificuldades de aceitar Sua divindade e consideravam-no apenas humano (Mt 4.23-25, Mt 13.53-58). Entretanto, uma coisa que fora levantada pelo irmão, e disseste bem é que Jesus não foi como um de nós, isto é com 100% da nossa natureza, por não possuir a natureza adâmica decaída. Mas, dizer que Jesus não era 100% homem porque não tinha a natureza caída não tem muita lógica, haja vista ser o pecado uma deformidade da verdadeira humanidade, e que o homem após a queda se encontra numa condição anormal em relação àquela em que fora criado originalmente. O que se pode concluir é que Jesus foi e é um homem mais perfeito do que todos nós! Em outras palavras Jesus é o perfeito homem. Concorda? O fato de Jesus não ter pecado, não o desqualifica como verdadeiramente humano, porque todos os humanos pecam. Leve em consideração que Deus não nos criou pecaminosos, mas santos e justos. Adão e Eva no jardim do Éden eram verdadeiramente humanos antes de pecar, e nós agora, apesar de humanos, não nos conformamos ao padrão que Deus deseja que preenchamos quando nossa humanidade plena, impecável, for restaurada.

Jesus não pecou porque jamais poderia ter pecado. Porque Ele não era só homem, mas Deus também, e Deus não peca! Apesar de as tentações com que Cristo foi tentado terem sido reais (Lc 4.2; Hb 4.15), não podemos presumir que Ele poderia ter caído só porque foi tentado que Cristo poderia ter caído, pois se acreditamos nisso, automaticamente colocamos em dúvida a sua divindade.

Em Cristo...

12 comentários :

Caro pastor Luis Fernando,

Primeiramente parabenizo-o pelo blog e congratulo-me com o prezado colega por poder reencontrá-lo. Faz tempo que participamos daquele evento em São Gonçalo.

Sobre o seu post, nada a acrescentar senão apenas reconhecer que ele reflete o resultado de centenas de anos de pesquisa e discussão acerca da natureza de Nosso Senhor Jesus Cristo. Além disso, está alinhado com o que se diz tanto na teologia reformada quanto na pentecostal acerca do nosso Salvador (ambas confissões que se pautam na revelação escriturística).

Só quero destacar um trecho de seu post que se parece muito com o que escrevi recentemente em um texto de um novo livro: "Se a perfeição era uma realidade e a obediência sua garantia, após a Queda tudo se inverteu, a imperfeição é uma consequência inescapável do pecado original que se torna ainda mais evidente em nossa vida a cada ato de desobediência. O mal que vitimou Lúcifer (Ez 28.2-6), atingiu o casal progenitor (Gn 3.5), a civilização anti-diluviana (Gn 6.5), a sociedade dos tempos do Novo Testamento (Rm 1.18-32), e continua atingindo os homens nos dias atuais que buscam viver autonomamente e sem reconhecerem Deus.[...] Do episódio histórico da Queda até hoje, em todo o drama humano, somente o Senhor Jesus Cristo, o homem perfeito, dispôs de todo o potencial do estado do homem em sua pré-Queda. O evangelista Lucas, que era médico, destaca que o Mestre se desenvolveu harmoniosa e globalmente: 'E crescia Jesus em sabedoria [crescimento cognitivo e experiencial], e em estatura [crescimento físico], e em graça para com Deus [crescimento espiritual] e os homens [crescimento social]' (2.52)".

O irmão escreveu precisamente o seguinte: "[...] haja vista ser o pecado uma deformidade da verdadeira humanidade, e que o homem após a queda se encontra numa condição anormal em relação àquela em que fora criado originalmente. O que se pode concluir é que Jesus foi e é um homem mais perfeito do que todos nós! Em outras palavras Jesus é o perfeito homem. Concorda? O fato de Jesus não ter pecado, não o desqualifica como verdadeiramente humano, porque todos os humanos pecam. Leve em consideração que Deus não nos criou pecaminosos, mas santos e justos. Adão e Eva no jardim do Éden eram verdadeiramente humanos antes de pecar, e nós agora, apesar de humanos, não nos conformamos ao padrão que Deus deseja que preenchamos quando nossa humanidade plena, impecável, for restaurada".

O que disse o fiz sucintamente e com palavras muito mais simples que as do irmão, entretanto, achei a sua reflexão extremamente oportuna e relevante.

Parabéns,

Acabei de incluir o seu blog em minha lista de favoritos.

Um grande abraço

Olá Pr. Cesar, a Paz do Senhor!

Sinto-me honrado em saber que leste este singelo comentário meu. Obrigado pelas palavras. Fique sabendo que o seu comentário vem para somar e abrilhantar meu blog... acredito que serei mais lido agora que tenho um comentário ser... rsrsrsrs.

Brincadeiras a parte, o senhor deve saber que o admiro muito, bem como sua história ministerial.

Vou adicionar seu blog também à minha lista de favoritos.

Um abraço meu irmão,

Pr. Luís Filipe.

Na realidade o Ciro estranhamente de cara no seu artigo ele desqualifica a tradição como base para a cristologia... estranho... Mas, o seu posicionamento é oportuno... quem disse que humanidade é relacionada diretamente com pecaminosidade?

Obrigado Rev. Ezequias por ter lido o meu texto e ter feito seu comentário.

Os grandes mestres, incluo aqui o senhor, sabem muito bem o valor que tem a tradição cristã para a boa teologia, seja ela bíblica ou sistemática.

Um abração meu pastor,

Pr. Luís Filipe

Paz querido Irmão, parabéns pelo seu blog e pelo comentário sobre a natureza de Cristo.
Agora estarei seguindo seu blog.
Paz e até logo!

Graça, Paz e Comunhão no Senhor.

Obrigado meu amado irmão Jailson por visitar meu blog, bem como pelas palavras que me incentivam a continuar...

Deus o abençoe muito! Abraços cordiais,

Pr. Luís Filipe.

Reinerio Filho disse...

Pastor, não tenho formação teológica, minha formação é jurídica, por isso não conheço com profundidade muitos dos episódios e das conclusões advindas destes, mormente os concílios. Ocorre que, como todo cristão deve fazer, "procuro manejar a palavra bem a palavra da verdade" (2 Tm. 2:15), e tenho estudado a Bibla, para crescimento espiritual.

No que tange à divindade e humanidade de Cristo, não posso deixar de discordar do seu pensamento. E o faço por acreditar que a Palavra de Deus não respalda a conclusão que o senhor chega.

Ora, é muito claro o que está escrito no capítulo 2 de Hebreus. No verso 15 o escritor anõnimo diz "E, visto que os filhos participaram da carne e do sangue, também ele participou das mesmas coisas, para que, pela morte, aniquilasse o que tinha império da morte, isto é, o diabo". Isto demonstra que o senhor teve grande êxito quando listou que Cristo tinha corpo, alma e espírito, como um humano. Corobora também com a sua afirmativa que Cristo tinha sentimentos de homem, prova disso é que ele chorou com a morte de amigo, indignou-se com o comécio no templo... Para mim, a prova irrefutável de que Jesus Cristo foi como um homem é a sua morte. Eis que foi o homem imaculado, concebido virginalmente pelo Espírito, que verteu o sangue no Calvário.

Porém, tudo isso so mostra que Cristo encarnou. O versículo 17 diz: "Pelo que convém que, em tudo, fosse SEMELHANTE aos irmãos, para ser misericordioso e fiel sumo sacerdote naquilo que é de DEus, para expiar os pecados do povo". Ora, pastor, aqui há que se pegar o vocábulo original. Confesso que não sei se a tradução foi a mais fidedigna; acontece que, se for esta a tradução, eu não acredito que Deus se equivocaria, haja vista que toda a Escritura é divinamente inspirada (2 Tm 3:16-17). Semelhante não é o mesmo que igual, logo, correta a tradução, Cristo foi muito parecido com o ser humano comum, padecendo de dores e sofrmntos, sendo em tudo tentado, todavia, sua humanidade era distinta, senão vejamos o vrso 7 do citado capítulo de Hebreus: "Tu o fizste um pouco menor do que os anjos, de glória e de honra o coroas e o constituíste sobre as obras de tuas mãos".

Ora Pastor, o Senhor fez o homem com as mãos, Cristo foi formado pela palavra, o verbo Agente da Criação, o que demonstra sua deídade e sua humanidade superior, perfeita; não como Adão, porém ainda mais superior a este, capaz de sentir como um homem comum, contudo, jamais capa de pecar por pensamento, por exemplo.

Como o senhor, explica a afirmação bíblica que Jesus é o Adão, do céu?

A paz do Senhor!

Graça e Paz!

Concordo com o contigo em relação a humanidade de Cristo. Excelente o a tua resposta.

Olha o que penso sobre a humanidade de Cristo: http://praticandopalavra.blogspot.com/2010/11/jesus-filho-do-homem.html

Em Cristo,
Elton Morais

A Graça e a Paz do Senhor irmão Reinerio Filho,

É um prazer tê-lo aqui viu amado! Veja só, levando em conta que esse foi o meu primeiro artigo sobre a natureza encarnada de Jesus Cristo, vou respondê-lo com um artigo, para que todos os meus leitores sejam beneficiados com a minha resposta. Pode ser que outros discordem de mim como o irmão não é?

Mas, não pense que fico triste com isso não, eu acho isso ótimo, pois me leva a estudar mais sobre o assunto e ter uma argumentação mais adequada.

Peço um pouco de paciência ao irmão, pois estou um pouco enfermo... ok!!

Um abraço,

Pr. Luís Filipe.

A Paz do Senhor irmão Elton,

Obrigado por visitar o meu blog e pela leitura do meu texto... agradeço a seu comentário também... Pode deixar que vou lá ver seu texto, ok.

Um abraço,

Pr. Luís Filipe.

Javã vidal disse...

a paz querido pastor, assim como o amado irmão Reinerio Filho eu também partilho da mesma opinião que ele; outra coisa como explicar Fp 2.6-7 que guando se refere Jesus a Deus usa a palavra IGUAl mas todas as vezes que se refere Jesus ao homem usa a palavra SEMELHANTE v7 / Rm 8.3 / Hb 2.17. Eu procurei em todos as traduções existente em português e todas usa as mesma palavras IGUAL (Jesus a Deus ) e SEMELHANTE (Jesus ao Homem). Quantas coisas que eram ensinadas na AD e tida como doutrina e hoje nos vemos que não é bem assim. o nosso amado pastor Ciro Sanches em nenhum momento desqualificou ou minimizou a humanidade do nosso amado mestre Jesus, apenas quis dizer que Jesus era um ser Humano diferente de outro ser humano, de fato isso é uma verdade, a sua concepção já foi diferente de outros humanos pois foi concebido pelo Espirito Santo. Apesar de discorda de sua opinião pastor gostei do seu poster..

Anônimo disse...

Boa tarde Pastor Luis Felipe, embora fossem um, em unidade perfeita, Jesus e o Pai, Jesus aqui na terra não possuía o atributo de onipresença de Deus, ou seja, Ele naturalmente não poderia estar em todos os lugares ao mesmo tempo. Por isso era necessário que subisse para que viesse o Espírito Santo, de modo que assim Ele poderia habitar em todos os corações em todos os cristãos que aceitam Jesus como salvador em todas as partes do mundo. Cristo em nós, a esperança da glória.
A interpretação 100% homem e 100% Deus não pode ser atribuída em relação aos atributos de Deus Pai.

Abs.