4/07/2011

Método Puritano de Pregação

Postado por Luís Filipe de Azevedo

John Knox 

Este método chegou a ser conhecido como novo método reformado, e o mentor deste tipo de pregação e que o desenvolveu foi William Perkins. Perkins “encarnava” toda a teologia puritana em seu pastorado e pregação. Era um pregador poderoso e fiel. John Cotton disse que no dia que ouviu as badaladas do sino da igreja chamando para o funeral de William Perkins, secretamente ele vibrou de alegria. Por quê? Porque a sua consciência havia sido severamente ferida debaixo da pregação poderosa de Perkins. Ele disse: “Agora que o atormentador morreu, posso escapar desta convicção de pecado que sempre vinha de seus sermões”. Mas a experiência de John Cotton não é um evento isolado. A pregação de Perkins teve uma influência incalculável em muitas pessoas nos seus dias. Seu biógrafo diz que ele era capaz de se comunicar com pessoas de todos os níveis sociais, desde o operário e o comerciante até o professor de Universidade. Ele podia pregar de forma eficaz e não somente aos perdidos, mas aos crentes. Williams Ames nos diz que quando ele foi a Cambridge, dez anos depois da morte de Perkins, a cidade ainda estava cheia de referências a William Perkins.
Com o propósito de reformar a Igreja e levá-la para dentro daquele programa puritano de reforma, Perkins escreveu um livro: “A Arte de Profetizar”. Ele usava a palavra profetizar no sentido de pregar. O propósito era dar aos pregadores ingleses um livro de Homilética para usarem no preparo dos seus sermões. É interessante que desde a Reforma até a publicação deste livro (1592), nenhum livro havia sido publicado dentro da igreja da Inglaterra a respeito de pregação. Perkins havia procurado suprir esta necessidade. Ele percebia que os pastores não tinham treinamento apropriado para pregar. Seu livro tem duas partes principais. Depois de dar o contexto inicial, ele trata da estrutura do sermão e a proclamação deste sermão. Nesta primeira parte ele falava do esboço do sermão e tratava dos seus princípios teológicos. Ele tem um capítulo final onde trata da questão de como o pastor deve dirigir a congregação em público.
É verdade que Perkins desenvolve a estrutura do sermão baseado numa teoria de comunicação. Isto é importante para nós, pois ele acreditava que a maneira de alcançar as emoções e a vontade das pessoas era indo através do intelecto. Ele estava aplicando as teorias e os métodos pedagógicos de Tirano. Perkins acreditava que o pregador se dirigia primeiro ao intelecto usando verdades irrefutáveis, princípios irrefutáveis da exegese e, se houvesse necessidade, estes princípios poderiam ser repetidos através de demonstração e argumentação. Uma vez que a pessoa havia aceito a verdade que estava sendo proclamada, ela estava em condições de aplicar à sua vida e ao seu pensamento aquilo que o pastor estava falando. Não é somente se dirigir ao intelecto da congregação, mas persuadir as pessoas intelectualmente da verdade da Escritura. Sobre este fundamento ele partia para a aplicação. Isso está bem colocado nas cinco marcas que apresentamos acima.
O centro da estrutura do sermão é chamado de o “esquema triplo”, que consistia de

a) doutrina,
b) demonstração e
c) usos.

Na doutrina o pastor declarava a verdade doutrinária que se encontrava na passagem. A demonstração consistia em trazer de outras partes da Escritura textos que reforçassem aquilo que o pastor havia falado para que a verdade exposta se tornasse irrefutável. Finalmente, os usos eram as aplicações que se fazia à congregação à partir da doutrina que tinha acabado de ser estabelecida. Algumas vezes poderia haver uma ou mais doutrinas e nesse caso, cada doutrina seria desenvolvida e conseqüentemente aplicada. Ele partia de uma doutrina e continuava na próxima. Mas, em geral havia no desenvolvimento do sermão apenas uma doutrina.
Não foi Perkins que inventou este estilo de pregação, mas estava convencido de que esta era a melhor maneira de se ter a pregação ideal. Por causa de seu próprio exemplo como pregador e do livro que escreveu, ele acabou transformando o estilo de pregação da época. No fim do século XVI era a única maneira que os puritanos conheciam de pregar.

4 comentários :

Olá! Pr. Luís Felipe, Graça e Paz...

Para mim é um imenso prazer conhecer o seu maravilhoso trabalho, o qual eu não me arrisco comentá-lo apressadamente, mas com certeza irei faze-lo com muita calma para absolver o conteúdo do texto, se me permite, desde já estarei te seguindo, e lhe convido a conhecer o meu humilde trabalho, e ajudar o seu carente irmão a crescer na graça e no conhecimento de Cristo.

Deus te abençoe em nome de Jesus...

Graça e Paz Pr. J. Fábio...

O prazer é todo meu de tê-lo aqui comentando em meu blog. Obrigado pelo incentivo... isso só me impulsiona a continuar postando mais e mais textos para edificação de vidas.

Estarei visitando seu blog sim... pode deixar!

Fique com Deus!

Reverendo J. Fábio... eu não sei se o senhor sabe, mas eu congreguei na Assembléia de Deus em Jardim Nogueira - São Gonçalo - durante três anos e meio. Igreja na qual trabalhei como diretor do SETADJAN - SEMINÁRIO TEOLÒGICO DAS ASSEMBLEIAS DE DEUS EM JARDIM NOGUEIRA e superintendente de EBD, em todo tempo que estive lá. Essa Igreja, hoje, tem como pastor presidente o Pr. Adilsom Henrique dos Santos, mas já foi presidida pelo saudoso Pr. Moisés Feitosa. O amado conhece a igreja?

Um abraço,

Pr. Filipe

Olá! Pr. Luís Felipe, Graça e Paz...

Muito obrigado amado Pastor, por tão rapidamente atender o meu humilde pedido, Deus te abençoe...

Sim, eu conheço a Igreja Ass. de Deus em Jardim Nogueira, e também tive a feliz oportunidade de conhecer o saudoso Pr. Moisés Feitosa.
Deus abençoe a sua vida,sua família e ministério...